Volte ao SPIN

SPIN01 SPIN02 SPIN03 SPIN04 SPIN05 SPIN06 SPIN07
SPIN08 SPIN09 SPIN10 SPIN11 SPIN12 SPIN13 SPIN14
SPIN15 SPIN16 SPIN17 SPIN18 SPIN19 SPIN20 SPIN21
SPIN22 SPIN23 SPIN24 SPIN25 SPIN26 SPIN27 SPIN28
SPIN29 SPIN30 SPIN31 SPIN32 SPIN33 SPIN34 SPIN35
SPIN36 SPIN37 SPIN38 SPIN39 SPIN40 SPIN41 SPIN42
SPIN43 SPIN44 SPIN45 SPIN46 SPIN47 SPIN48 SPIN49
SPIN50 SPIN51 SPIN52 SPIN53 SPIN54 SPIN55 SPIN56
SPIN57 SPIN58 SPIN59 SPIN60 SPIN61 SPIN62 SPIN63

SPIN64 SPIN65 SPIN66 SPIN67 SPIN68 SPIN69 SPIN70
SPIN71 SPIN72 SPIN73 SPIN74

terça-feira, 26 de março de 2013

Você Por Aqui de Novo?




Não entendi essa recepção no Tribunal de Justiça: De novo?
Mas entendi perfeitamente, eles não gostam de artistas, aquela que estava lá dias atrás me contou tudo, esqueci o nome dela, ah sim Yashira
Ela(Yashira): Eles veem minhas obras como lixo, a diretora chegou a me dizer que estava muito incomodada com minha presença por aqui; Que ela(artista) precisa tirar aquelas aquelas coisas serragens, folhas, cordões, para dar lugar a coisas bonitas
É isso
Para estes perfeccionistas racionalistas limpinhos tudo é lixo, exceto eles mesmo
Eles são uns decentes
Sim, descentes, ops, decentes, jamais deiscentes
Eu sei que vcs não me suportam
Compreendo, eu também não, tanto que tenho vários noves, ops nomes, inclusive um japonês frances inglês
Fazer o que se não me suportam ou olham ou são, eu também, às vezes, não posso olhar no rosto de aluns de vós, estes seres quentes apocalipticos infernais
Não posso me deixar atrair por homens decentes, ops, atraentes, não, devo seguir em frente com minha tarefa de capucho liturgo
Tenho coisas a terminar, esta obra para o spin cantor, não posso falhar, se bem que não sou obrigado, já tenho coisas suficientes para entregar para eles, presentes recolhidos ontem nas ruas da cidade-estado
Ele merece
Sempre dei o melhor fruto para as pessoas que amo, sempre foi assim, quando no sertão nordestino saia para colher frutos silvestres nunca comia o fruto mais bonito: Trazia para minha mãe
Meu pai nem tanto, ele era um spin carrasco, queria criar os filhos, trabalhava sol a pino, tinha que manter a todos nós sob rédea curta, éramos 12
Quando atravessamos o rio vindo da roça para uma cidade de menos de mil habitantes que para mim era uma grande metrópole, a canoa quase naufragou, também pudera, tudo naquela minúscula embarcação, numa viagem só para pagar uma só passagem, nenhum salva-vidas, ninguém sabia nadar, poderíamos ter, todos, sem exceção, morrido, mas não morri e estou aqui
De novo
Sei que já tentaram me matar várias vezes, sendo empurrado dos penhascos quando o pequeno arbusto me protegeu, bem como por arma branca, de fogo, por estrangulamento
Mas estou aqui
De novo
Sou aquele que escreve para sorrir ou olhar ou ser

Ah sim, o momento em que cheguei ao Poder Curador

 ops, Judiciário, às vezes confundo esta realidade com a outra


Neste vídeo, no momento 3:17 passo em frente à câmera, sou este que usa uma blusa listrada preta e branca, com um bornal verde, carregando uns papéis e filmando com um celular

Grato,

Nenhum comentário: